Balanço põe em xeque o discurso da diretoria. É hora de mudanças!

Dezembro de 2017, em eleição realizada na sede de Lourdes, Sergio Sette Câmara foi eleito presidente do Clube Atlético Mineiro, com arrasadores 266 votos dos conselheiros alvinegros, recém eleito presidente, assumiu com um discurso de colocar “ordem na casa”, com uma política de austeridade (severa), palavra que viraria um marco nas falas do presidente, e o discurso de manter um time forte com as contas em dia, essa era a grande expectativa para o mandato recém conquistado na época. Porém, hoje com quase um ano e meio de mandato, a divulgação do balanço da última temporada foi completamente diferente do que se esperava. A dívida geral do clube, que em 2017 era de R$ 576 milhões subiu para R$ 652 milhões no ano de 2018. O aumento de R$ 76 milhões em apenas um ano, foi completamente contrário ao discurso tão abordado pela atual gestão alvinegra.

De 2017 para cá, o elenco sofreu mudanças profundas, a fim de enxugar a folha salarial deixaram o clube grandes nomes daquela temporada, e não foram feitas grandes contratações, fato rotineiro na gestão anterior de Daniel Nepomuceno, a aposta da diretoria foi buscar jovens talentosos, afim de reforçar o elenco e futuramente o caixa do clube, uma aposta válida que não se refletiu em campo, e o time, até os dias atuais é duramente questionado quanto à qualidade de algumas peças. A gerência do futebol é outro ponto de atenção dentro da gestão, até a recém-chegada do atual Diretor, Rui Costa, a função de gerir o futebol alvinegro ficou nas mãos de profissionais, que podem ser considerados apostas para a função, pois não tinham experiência e acabaram muito criticados quanto a formação ideal do elenco.

Diretor Rui Costa põe fim ao rodizio na Gestão de futebol alvinegra. Foto: Atlético/Bruno Cantini/Pedro Souza.

 

O reflexo destes fatores, afetaram diretamente as finanças do clube, expostas no balanço apresentado nos últimos dias. Em relação ao ano anterior, o caixa alvinegro sofreu, houveram diminuição na arrecadação com futebol (de R$ 291,2 milhões para 237,7 milhões), queda na receita de bilheterias (de R$ 16,8 milhões para R$ 8,1 milhões) direitos de transmissões (de R$ 171,7 milhões para R$ 99,8 milhões) e patrocínios e marketing (de R$ 34,7 milhões para 26,6 milhões), houve queda significativa também na receitas do programa de sócios Galo na Veia (de R$ 16,3 milhões para R$ 13,6 milhões). De positivo no balanço apresentado, a venda de jogadores, com um crescimento considerável (de R$ 43,2 milhões para R$ 80,7 milhões), melhorando assim, um pouco o rombo nas contas do clube na última temporada.

Queda na receita de bilheterias e do programa de sócios, afetaram o balanço do clube. Foto: Atlético/Bruno Cantini/Pedro Souza.

Todos estes fatores, culminaram em uma gestão marcada por protestos e críticas; durante a reunião de aprovação do balanço anual, o clima esquentou e houveram discussões, advertências e relatos de uma possível punição a quem questionou os números apresentados ao conselho.

A torcida é quem mais sofre com toda essa turbulência vivida nos últimos tempos pelo clube, após inúmeros protestos realizados na Sede de Lourdes e na Cidade do Galo, nos últimos dias, chamou atenção o protesto chamado “público zero” para a primeira rodada do time no Brasileirão, com intuito de demonstrar, mais uma vez, a insatisfação com a gestão atual, o protesto obteve grande apoio das Torcidas organizadas do clube e a partida gerou uma das piores rendas da história da Arena Independência. Vivemos, péssimas fases com o Galo, porém a torcida sempre foi o ponto forte para vencer as dificuldades, e nunca vimos o alvinegro abandonado por seu maior patrimônio, então percebe-se que a atual gestão conseguiu afastar de si aquela que seria seu principal aliado para grandes conquistas.

 

O balanço provou que precisamos de mudança na visão proposta pela direção alvinegra, os resultados são ruins em campo e fora dele, sendo esse um sinal verde para as esperadas mudanças. Hora de melhorar o ambiente interno do clube, reforçar o elenco com peças que cheguem e resolvam em campo, investir, buscar a torcida de volta e juntos sonhar com dias melhores. O meio da temporada se aproxima, e mais uma vez as perspectivas não são boas em relação a conquistas, a desorganização extracampo, afeta diretamente o clube, vide as dificuldades encontradas para se contratar um técnico de ponta no país. A união será essencial para melhorar o ambiente, sendo que todos (conselheiros, diretoria, jogadores e torcida) devem se aproximar em prol da Instituição, o Galo é muito grande e tem tudo para voltar ao caminho certo, não podemos jamais regredir, somente progredir e nos colocar sempre entre os melhores do país.

 

É hora de mudanças e de colocar o Galo no topo. Foto: Atlético/Bruno Cantini/Pedro Souza

Não se pode cobrar a torcida mais apoio, pois a mesma compareceu em peso aos jogos esse ano, mas é sempre bom lembrar que, Nós, atleticanos de verdade, movemos o Galo, nós torcemos contra o vento, nós buscamos resultados improváveis e somente com a nossa força poderemos ver os bons ventos voltarem a Cidade do Galo.

Um grande abraço a Massa Atleticana!!! Nos encontramos aqui na nossa próxima coluna de notícias.

Espora neles!

Aki é Galo, Sempre!!!

Avatar

Jeferson Alves

Apaixonado pelo Clube Atlético Mineiro. Twitter : @jefinhoalves_90 Instagram: @jefinhoalves90 Espora neles! "Aqui é Galo, Sempre!"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *